search engine by freefind advanced
 
     
  Home  
  Contato  
  Adestramento  
  Agility  
  Cães Famosos  
  Classificados  
  Curiosidades  
  Depoimentos Raças  
  Dicas  
  Editorial  
  Galeria de Fotos  
  Homenagens  
  Links  
  Nomes de Cães  
  Raças  
  Reportagens  
  Vídeos  
     
     
     
 
 
O PASTOR ALEMÃO BRANCO
por Nilton Novaes
 
MATÉRIA PUBLICADA EM DEZEMBRO/2003
(HOJE - PASTOR BRANCO SUÍÇO)
 


PASTOR ALEMÃO BRANCO
Dunas Brancas Kennel




PASTOR ALEMÃO BRANCO
Dunas Brancas Kennel




PASTOR ALEMÃO BRANCO

Dunas Brancas Kennel
 

 

Hoje existem duas vertentes da criação desta variedade de cor do Pastor Alemão, sendo que a vertente que seguiu em manter as características originais do Pastor Alemão, cada vez ganha mais adeptos.

Apesar das mesmas origens, o Pastor Alemão Branco e o Pastor Branco não mais se constituem na mesma raça, já que o padrão físico e temperamental são totalmente diferentes.

Hoje a SOLPAB, conta com 9.000 cães registrados em Stud Book, sendo a maior do mundo em número de registros, provando assim que o brasileiro aposta no excelente nível do plantel nacional.

PASTORES de WÜRTTEMBERG e TURINGIA
Nas investigações levadas a cabo pelos primeiros criadores alemães para formar uma raça uniforme que teve como característica comum (como o tamanho, o pêlo, as orelhas). Eles tiveram uma importância decisiva numa série de cachorros que então existiram na Alemanha.
Inicialmente foram feitos cruzamentos entre a espécie local de pastores de Württemberg, de Turingia e dos dois Sajonias.

Os cachorros de sajones eram menores, mais nervosos, com orelhas retas e marcas no lombo, enquanto o cachorro nativo de Turingia, uma região do norte de Alemanha, era pequeno mas robusto, ágil e enérgico, de cor de lobo cinza, com as orelhas retas (certa semelhança com lobo) e marcas no lombo.
Os criadores pensaram em cruzar eles com os pastores de Württemberg.
Os cachorros daquela região do sul da Alemanha eram grandes, com ossos robustos, de pêlo abundante e, em geral, com as orelhas caídas.

O lombo desceu formando uma curva suave e o andar era tranqüilo e longo, muito importante em cães pastores, caminha com facilidade não pode alarmar a ovelha da mesma forma que se vem mais íntimo ao rebanho que corre com movimentos abruptos e para saltos...
Estes dois tipos de cachorros representaram para os criadores daquele tempo determinadas vantagens, embora também certos defeitos. Com paciência e com ajuda de cruzamentos repetidos, foi tentado eliminar os defeitos e fixar as virtudes. Eles foram levados para muitos planos de procriação, com resultados diversos.

Na Alemanha do século de XIX os pastores eram abundantes as regiões de Württemberg e Turingia desde que eles favoreceram a procriação estável de ovinos. Aqui, como você verá, a raça pastor alemão nasce e tem sua origem nos cachorros de pastor locais graças à tarefa de quem é conhecido como o criador da raça: Max von Stephanitz.

O Primeiro Pastor Alemão
Em 1899, um oficial de cavalaria alemão Max von Stephanitz, comprou um cão de cinco anos chamado "Hector" numa pequena exposição de cães.

Impressionado com o belo aspecto e com a natureza obediente do cão, deu-lhe um novo nome, "Horand von Grafrath" e duas semanas depois fundou com Artur Meyer o "Verein für deutsche Schäferhunde"ou seja o "SV". Horand, que tinha pêlo curto e cerca de 60 cm de altura, pequeno para o padrão atual, foi o primeiro Pastor Alemão a ser registrado. O SV continua a ser o maior clube desta raça no mundo...

 

Desenvolvimento da raça Pastor Alemão
O Dr. M. B. Willis no seu livro "The German Shepherd - Its History, Developmente and Genetics" de 1977, informa que um dos primeiros cães do tipo Pastor Alemão que se tem registro era branco.

Chamava-se Greif, foi apresentado na exposição em Hannover em 1882 e de novo em 1887. Joseph Schwabacher no seu livro "The Popular Alsacian"de 1922 cita que Greif, nascido em 1879, acasalou-se com Lotte, tendo como filha a fêmea Lene. Lene foi acasalada com Kastor dando origem a Hektor Linksrhein.
Em 3 de abril de 1899, Hektor foi comprado em Karlsruhe durante uma exposição por Max von Stephanitz, capitão da cavalaria do exército alemão. Hektor era um cão flexível, potente, de grande resistência, firmeza e inteligência.

Stephanitz rebatizou o cão com o nome de Horand von Grafath.
Horand (Hektor) correspondia ao ideal cinófilo de seu dono: "Utilidade e Inteligência", sob o qual fundou a SV (Verein für Deutsche Schäferhund ou Clube do Pastor Alemão), que tornou-se posteriormente o maior clube cinófilo do mundo, dedicado a uma só raça. Horand von Grafath, um cão pastor alemão amarelo e cinza, semelhante a um lobo, neto do pastor alemão branco Greif, é o registro número 1 no livro da SV.

O PASTOR ALEMÃO BRANCO
ALBINO? É comum ouvir-se essa pergunta. Mas NÃO! NÃO É ALBINO! A cor branca é comum em diversas raças de cães, bem como em mamíferos, por exemplo, o urso polar e o lobo ártico.
Albinismo é uma doença que se evidencia pela completa intolerância ao sol, olhos cor de sangue, focinhos e lábios despigmentados, cor de carne, pele translúcida.

Já o Pastor Alemão Branco é bem adaptado ao trabalho ao sol : há inúmeros excelentes cães espalhados pelo norte do país, em locais de forte insolação.
A raça é cor branca que é o extremo de uma série de cores, que inclui o champanhe, o amarelo, o amendoado, o laranja e mesmo o marrom.
Estas cores, principalmente o champanhe e o amarelo, são bastante comuns e caracterizam um desvio em relação ao padrão da raça, que diz, basicamente, que quanto mais branco melhor.

O pastor alemão branco é criado mundialmente como raça, não contando, entretanto, com o reconhecimento oficial de várias entidades de peso, entre as quais a FCI.
O cão é mais usualmente conhecido como pastor alemão branco, nomenclatura esta que expressa a sua origem do ponto de vista genético.
Criadores do mundo estão buscando reconhecimento internacional deste cão como raça.
As notícias que chegam apontam para um reconhecimento próximo, o qual talvez implique em mudança de nome da raça, talvez para pastor branco ou pastor canadense.
Isto, contudo, não altera o fato de que estes cães brancos são originados unicamente do pastor alemão.

Certos endereços da Internet citam a cor branca como limitante ao trabalho de pastoreio do pastor alemão e que seria este o motivo de sua desclassificação. Entretanto, desde a época da Roma antiga, diversos documentos identificam a preferência de muitos pastores de ovelhas por cães brancos porque estes podiam ser facilmente diferenciados de lobos, principalmente a noite, e porque podiam ficar camuflados em meio às ovelhas pegando os lobos de surpresa.

A raça pastor alemão conforme concebida por Stephanitz, não apresentava restrição quanto à cor do pelo. Seu propósito era um cão de serviço para atender à humanidade. Segundo Stephanitz, utilidade é o verdadeiro critério de beleza", "a cor do cão não tem significado para sua capacidade de trabalho", disse Stephanitz:"Se o cão é bom, sua cor não pode ser ruim".

A fêmea pastora alemã branca Blanka von Riedekenburg foi filha de Hette Uckmark, sieger alemão em 1909 e Flora Berkenmeyer, considerada a melhor reprodutora da época. O filho de Blanka, Erich von Grefenwerth foi Sieger alemão em 1920, Grande Campeão da SV e Grande Campeão nos Estados Unidos. Ele foi considerado o grande padreador da época.
A foto de Blanka constava da primeira edição do livro de Stephanitz.

Durante os 15 primeiros anos da raça pastor alemão, 30 cães consolidaram-se como pilares da raça. Pesquisas recentes demonstraram que 18 destes produziram descendentes brancos e os 12 restantes foram descendentes de cães que passaram a cor branca.

Fica evidente que o pastor alemão branco integrou a fundação da raça pastor alemão e participou de seus primeiros anos. Winifred Geison Strickland, no seu livro de 1974, "The German Shepherd Today", bem como outros autores, indica que nos anos 30 muitos membros do partido nazista integravam a SV, interferindo nas ações da entidade.
Ameaçaram Max von Stephanitz de reclusão a um campo de concentração caso ele não colaborasse. Finalmente ele foi destituído e faleceu um ano após, em 1936.

No pós-guerra, iniciou-se campanha sistemática para erradicação da variedade branca da raça pastor alemão, alegando-se erroneamente, que fossem albinos degenerados, associados geneticamente a albinismo, surdez, cegueira, esterilidade, epilepsia, displasia coxo-femoral, desbotamento de cores e perda de vigor físico.
Atrocidades foram cometidas fanaticamente buscando a dizimação do pastor alemão branco. Nesta época a SV passou a negar pedigree aos pastores alemães brancos.

Em 1968, seguindo a orientação da SV, o American Kennel Club (AKC) aprovou a desqualificação da variedade branca de qualquer exposição de pastores alemães. Apesar disto, até hoje emite pedigrees para filhotes brancos bastando que seus pais sejam de raça pura. Foi o único caso na história da AKC de desqualificação baseada apenas na cor.
O pastor alemão branco ainda compete em provas de adestramento nos Estados Unidos. O Canadian Kennel Club resistiu às pressões e não desqualificou o pastor alemão branco.

Cientistas, em diversos experimentos, demonstraram não haver associação entre a cor branca do pastor alemão e nenhuma das doenças a eles atribuídas.

A exclusão do pastor alemão branco pode ter sido um erro irreversível. Algumas das características que o capitão Max von Stephanitz encontrou em seu primeiro cão podem ter sido perdidas por conta da discriminação.

O pastor alemão branco é um cão muito inteligente, equilibrado, de muito bom convívio social, companheiro das crianças. Stanley Coren em seu livro "A Inteligência dos Cães" torna claro ser o pastor alemão o cão de guarda mais inteligente que existe. São cães capazes de discernir visitantes de invasores, com os quais são intransigentes.
O pastor alemão branco ainda está pouco trabalhado no Brasil a nível de adestramento. Nos Estados Unidos há e já houve diversos pastores alemães brancos campeões em provas de adestramento.

 
Obs: a raça denominada nesta matéria como Pastor Alemão Branco,
hoje tem o nome oficial de Pastor Branco Suiço (WEISSER SCHWEIZER SCHÄFERHUND).

 
Nilton Novaes é diretor da SOLPAB (Sociedade Latino Americana de Pastor Alemão Branco) e proprietário do Dunas Brancas Kennel, canil dedicado à criação da raça Pastor Branco.
 
Dunas Brancas Kennel - Site: http://niltonovaes.sites.uol.com.br
E-mail:
niltonovaes@bol.com.br - MSN: niltonovaes@hotmail.com
Telefones: OI (85) 8741.5577 / TIM (85) 9974.1438
 

 
 

Copyright © 2002-2011 CaesPastores.com . Todos os direitos reservados